Início do conteúdo

15/07/2016

Manual de vigilância, prevenção e controle de zoonoses

por Alexandre Ressurreição

Ministério da Saúde torna público manual de Vigilância, Prevenção e Controle de Zoonoses, com normas técnicas que nortearão as ações e os serviços públicos de saúde a serem desenvolvidos e executados no Brasil para a prevenção, a proteção e a promoção da saúde humana, quando do envolvimento de riscos de transmissão de zoonoses e de ocorrência de acidentes causados por animais peçonhentos e venenosos, de relevância para a saúde pública.

 

Dentre as várias medidas que este documento destaca para as ações de vigilância em saúde, estão aquelas relacionadas aos animais peçonhentos, como algumas espécies de serpentes, escorpiões, aranhas, lagartas e abelhas, os quais são de interesse médico devido ao potencial de gravidade dos acidentes causados.

 

E para evitar estes acidentes, as normas preconizam os cuidados a serem adotados por profissionais, durante a coleta, transporte e guarda de animais peçonhentos – relacionando equipamentos de proteção individual (EPI) – bem como destaca a importância de se desenvolver a educação em saúde na comunidade como uma medida de prevenção, por exemplo, levando orientações sobre como evitar a instalação destes animais.

 

Segundo o documento, os cuidados da população para evitar o aparecimento de animais peçonhentos devem ser realizados tanto em áreas externas, quanto em ambientes internos. Para isto, é fundamental que se mantenha limpos quintais, jardins e terrenos, evitando o acúmulo de folhas secas, entulho e lixo, que atraem estes animais em busca de alimento ou abrigo. Outras medidas importantes citadas são eliminar vãos e frestas das residências, examinar calçados e roupas antes de usá-los, afastar camas das paredes e evitar pendurar roupas fora de armários.

 

Além das medidas preventivas, o manual também chama a atenção para a importância de os agentes de vigilância em saúde orientarem as pessoas a procurar atendimento médico imediatamente após a ocorrência de um acidente por animal peçonhento ou venenoso, para que seja realizada uma avaliação adequada do estado de saúde do acidentado pelo profissional.

 

Confira aqui o documento na íntegra.

Voltar ao topoVoltar