Início do conteúdo

12/08/2016

Livro contribui com estudos em Portugal

por Alexandre Ressurreição

Depois de atravessar o Atlântico, o livro “Plantas Tóxicas ao alcance de crianças: transformando risco em informação” chegou em terra lusitana para contribuir com um estudo semelhante ao realizado no município do Rio de Janeiro entre os anos de 2008 e 2010, através do qual se identificou a presença de 23 espécies vegetais tóxicas ao alcance de crianças nos jardins de escolas públicas.

 

O estudo está sendo conduzido por Natacha Perpétuo, aluna de doutorado do curso de História das Ciências e Educação Científica, da Universidade de Coimbra, que pretende conseguir financiamento para edição e publicação de um livro parecido com o das pesquisadoras brasileiras. “Foi incrível abrir o livro e constatar que corresponde perfeitamente ao formato que eu tinha idealizado para o meu: introdução com dados estatísticos, breve descrição das plantas (nomes comuns e científico, família e principais características), partes tóxicas e toxinas, sintomatologia e observações pertinentes sobre cada planta, sempre acompanhado da bibliografia consultada) ”, relata Natacha.

 

Observação da planta Nerium oleander (Imagem: Acervo de Natacha Perpétuo)

 

A doutoranda descobriu o livro das pesquisadoras da Fiocruz através de uma busca na Internet, e depois de fazer uma procura sem êxito nas livrarias de seu país, decidiu entrar em contato com Rosany Bochner, que lhe enviou um exemplar pelos Correios. “Ela foi extremamente atenciosa comigo. Recebi o livro, já comecei a analisá-lo e posso assegurar, desde já, que será muito importante para o meu trabalho”, garantiu Natacha.

 

As informações do livro estão servindo como base para confirmação da hipótese da pesquisa, de que as espécies vegetais tóxicas estão presentes em escolas e jardins públicos de diversas cidades, e mesmo de diferentes países. Segundo Natacha Perpétuo, muitas destas plantas que foram encontradas ao alcance de crianças no Rio de Janeiro, também estão sendo identificadas nas escolas de Coimbra. E essa constatação poderá sugerir um futuro estudo comparativo entre os resultados de ambas pesquisas.

 

Além do campo da pesquisa, o conteúdo do livro apresenta subsídios para profissionais e estudantes que pretendem desenvolver projetos na área de prevenção de intoxicações por plantas tóxicas, bem como para o trabalho daqueles que atuam no tratamento de casos de envenenamento por plantas. Para Natacha, enquanto que por um lado, alunos de cursos ligados à Educação iriam se beneficiar dos assuntos relacionados à identificação e características destas plantas, por outro lado, estudantes de Medicina, Farmácia e Enfermagem, se interessariam pela parte da sintomatologia associada a intoxicações e dos princípios ativos descritos. “Também considero que será útil para alunos de diversas outras áreas, como: biologia, botânica, bioquímica e ciências veterinárias. ”, finaliza.

 

 

Voltar ao topoVoltar