Início do conteúdo

05/10/2018

Banco de imagens da Fiocruz disponibiliza galeria com plantas venenosas

por Alexandre Ressurreição

O Fiocruz Imagens, banco de imagens digitais da Fundação Oswaldo Cruz, agora possui uma galeria totalmente dedicada a fotos de plantas tóxicas. Comigo-ninguém-pode, Azaleia, Mamona, Tinhorão e Espada-de-São-Jorge são alguns exemplos desses espécimes que podem ser consultados no acervo. Cerca de 90 registros foram feitos pela fotógrafa Raquel Portugal (Multimeios/Fiocruz), que encontrou a maioria das plantas no próprio campus Manguinhos da Fiocruz, um lugar bem arborizado.

 

A iniciativa de criar essa galeria se deu através de uma parceria entre o Fiocruz Imagens e o Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox), com o intuito de ampliar a divulgação dessas plantas venenosas. Saber identificar as plantas tóxicas e conhecer seu nome são exemplos de medidas de prevenção para evitar os acidentes. Algumas delas são ornamentais e podem ser encontradas em praças ou parques públicos, assim como dentro da casa das famílias.

 

Todas as imagens da galeria podem ser utilizadas desde que respeitados os termos estabelecidos pelo Fiocruz Imagens. Para realizar o download dos itens do acervo é necessário fazer um cadastro prévio.

 

Veja abaixo algumas fotos:

 

Anthurium andraeanum é popularmente conhecida como Antúrio, Flor-de-flamingo e Rabinho-de-porco. Por possuir um colorido atraente, é muito usada como planta ornamental. Todas as suas partes são tóxicas. Acidentes por ingestão podem causar inchaço e coceira na boca, além de aumento de salivação. Inchaços na língua e garganta também podem ocorrer.

 

Rhododendron indicum, conhecida como Azaleia, é muito cultivadas em vasos por apresentar flores muito atraentes. Acidentes com esta planta podem causar salivação, vômitos, dor de cabeça, e, em alguns casos mais graves, convulsões e coma.

 

Ricinus communis, a Mamona, é facilmente encontrada em terrenos baldios. Possui sementes muito venenosas, que se ingeridas podem causar náuseas, vômitos, diarreia sanguinolenta, e até coma seguido de morte. 

 

Conheça a galeria completa.

Voltar ao topoVoltar